Em abril, 20 dos 26 ramos da indústria tiveram avanço, diz IBGE | EXAME

Em abril, 20 dos 26 ramos da indústria tiveram avanço, diz IBGE
Em abril, 20 dos 26 ramos da indústria tiveram avanço, diz IBGE

industria

Principais influências positivas foram de veículos automotores, reboques e carrocerias (7,1%), máquinas e equipamentos (8,3%) (./Agência Brasil)

Rio — A indústria registrou avanços na produção em 20 das 26 atividades pesquisadas na passagem de março para abril, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na média global a produção cresceu 0,3%.

As principais influências positivas foram de veículos automotores, reboques e carrocerias (7,1%), máquinas e equipamentos (8,3%), outros produtos químicos (5,2%) e produtos alimentícios (1,5%). Todos reverteram o comportamento negativo observado em março: -2,8%, -0,1%, -3,9% e -5,0%, respectivamente.

Veja também

Outras contribuições positivas relevantes foram de bebidas (3,4%), metalurgia (1,7%), couro, artigos para viagem e calçados (5,4%), produtos têxteis (5,8%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (4,0%) e produtos de borracha e de material plástico (1,9%).

Por outro lado, as indústrias extrativas recuaram 9,7%, o quarto resultado negativo consecutivo, acumulando uma perda de 25,7% no período. Em abril, o setor de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis caiu 2,0%, a segunda queda seguida, com perda acumulada de 5,0% no período.

Revisões

O IBGE revisou o resultado da produção industrial em março ante fevereiro, de -1,3% para -1,4%. A taxa de fevereiro ante janeiro saiu de 0,6% para 0,7%.

Na categoria de bens de capital, a taxa de março ante fevereiro foi revisada de 0,4% para 0,5%. O resultado de fevereiro ante janeiro saiu de 4,7% para 5,5%, enquanto o desempenho de janeiro ante dezembro passou de -2,4% para -2,2%.

A taxa de bens intermediários em março ante fevereiro passou de -1,5% para -1,6%.

O desempenho de bens de consumo duráveis em março ante fevereiro passou de -1,3% para -0,6%. A taxa de fevereiro ante janeiro saiu de 3,6% para 3,8%, e o resultado de janeiro ante dezembro foi revisto 0,9% para 1,3%.

Já os bens de consumo semi e não duráveis em março ante fevereiro foram revisados de -1,1% para -0,9%.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*