Sons de Lead: eleições violentas no México ocorrer amanhã | a exame

Tiros e votos: marcadas por violência, eleições no México ocorrem amanhã
Tiros e votos: marcadas por violência, eleições no México ocorrem amanhã

Eleições: a violência no México cresce a passos gigantes (José Luis Gonzalez/Reuters)

Na eleição geral de domingo (1) é o maior da história do México e também o mais violento, com pelo menos 136 políticos mortos desde setembro, quando começou o processo eleitoral.

A imagem será gravada na campanha eleitoral no México: um aspirante a MP tira um “selfie” no local com uma bala nas costas.

Fernando Purón, candidato a Deputado federal, para a decisão, o Partido Revolucionário institucional (PRI), foi assassinado quando ela tirou uma foto com um torcedor fora de discussão que falou várias vezes de luta, que lutou contra o Los zetas, o cartel mais brutal do México, quando ele foi Prefeito da cidade de Piedras Negras, Coahuila.

Purón é apenas um dos 136 políticos, entre eles 28 por candidatos 20 candidatos – que foram mortas desde que começou em setembro do processo eleitoral no México, de acordo com a consultoria Etellekt.

Uma figura muito maiores do que as registradas em 2012, quando nove candidatos políticos foram mortos, acrescenta.

Este é apenas um exemplo – de acordo com especialistas, a presença de sangue do crime organizado, que busca Informar entre as autoridades para obter o Conselho Regional e o acesso a recursos públicos.

Para ter certeza de que esta é “consistente com as instruções do Pistoleiro, ou o homem do crime organizado”, explica à AFP Luis Carlos Ugalde, uma ex-conselheiro do Presidente da autoridade eleitoral do México.

“Se você acha que qualquer político não vai negociar ou competir, matar”, diz ele.

A violência no México cresce a passos gigantes. Os corpos dos deformado, eles abandonados nas estradas, a polícia militar, em uma emboscada, mulheres estupradas, degoladas encontrado boiando no rio são as imagens que se desdobram nos últimos anos.

Veja também

“De prata ou chumbo”

Há uma crescente evidência de que as máfias dedicadas ao tráfico de drogas e outros crimes, a participar na vida política, especialmente no nível municipal, para se concentrar nos resultados das eleições, e para incentivar pessoas que pensam muito barulho para assustar os adversários, refere-se a Guillermo zepeda, pesquisador do Colégio de Jalisco.

“É como a questão da prata ou chumbo”, adverte.

Uma forte presença do crime organizado em estados como Guerrero (Sul), Michoacán (oeste), com o maior número de vítimas, um candidato ameaçado penetrou nas estruturas dos governos locais, bem como na vida econômica e social das comunidades que dependem de suas atividades ilegais.

Além disso, o estabelecimento de redes clientelares para fornecer algum tipo de benefício para a população, baseando a sua influência. A resposta é explicitamente contra os seus próprios interesses, sempre agressivo.

“Nós temos que perguntar a nós mesmos como muitos dos candidatos não estão mortas só porque elas respondem ao Crime Organizado. Este é o maior problema”, adverte Ugalde.

Mais de 25.300 violentos assassinatos que foram cometidos no ano de 2017, o número mais alto desde que começou em 1997, a conta oficial da Secretaria de governo (interior).

Este crime foi uma casa para todos os destinos turísticos como Los Cabos, Baja California Sur, bem como as zonas mais deprimidas do país, com 120 milhões de pessoas, incluindo mais de 50 milhões mergulhada na pobreza.

Veja também

“A estratégia punitiva”

A violência, quando cometido em dezembro de 2006, o então Presidente Felipe Calderón, do conservador partido Ação Nacional (PAN), eu decidi tirar o exército do quartel para enfrentar o narcotráfico.

Colocar a “forçar a estratégia, que estava tentando penetrar em qualquer tipo de comunicação ou canal de ligação entre narcotraficantes e autoridades locais”, diz o Diretor de Etellekt, Ruben Salazar.

Ao mesmo tempo que procura “Curral” os grandes cartéis da droga, mas os resultados foram “falha”, continuou o especialista.

A única coisa que pode “abrir”. Desde então, “havia muitas células do criminoso, que agora vêm mais e mais radical, através do controle de terra e estradas”.

O pesquisador do El Colegio de México, Sergio Aguayo “conluio entre funcionários do governo e criminosos” nunca parou.

“Não me lembro de outro país no mundo onde o crime organizado tem alcançado tal poder, como é o caso do México”, acrescentou o autor do relatório “el Yugo petróleo”.

Para os especialistas, a solução não é apenas através do uso da força, mas o interesse e o estado permanente em regiões mais pobres de desenvolvimento.

“Uma solução única, em um verdadeiro executória é que o estado Mexicano de minas, para enfraquecer o poder do crime organizado”, diz Ugalde.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*