‘Vamos seguir fazendo o que o governo não faz’, diz presidente da comissão da Previdência | Política | G1

imagem15-06-2019-00-06-20
imagem15-06-2019-00-06-20

Deputado Marcelo Ramos (PL AM), presidente da comissão especial da Previdência — Foto: Pablo Valadares/Câmara dos DeputadosDeputado Marcelo Ramos (PL AM), presidente da comissão especial da Previdência — Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Deputado Marcelo Ramos (PL-AM), presidente da comissão especial da Previdência — Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O presidente da comissão especial da Câmara que discute a reforma da Previdência, Marcelo Ramos (PL-AM), divulgou uma nota nesta sexta-feira (14) na qual afirmou que os parlamentares continuarão “fazendo o que o governo não faz”. Acrescentou que a reforma está “blindada” da mais nova “crise” criada pelo Poder Executivo.

Mais cedo, nesta sexta, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que os deputados da comissão podem “abortar a nova Previdência” se aprovarem o relatório do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), que retirou trechos propostos pelo governo.

“Não nos deixaremos contaminar pela fala do ministro Paulo Guedes num momento bom da reforma da Previdência. Sob liderança do nosso presidente Rodrigo Maia, seguiremos blindando a reforma de mais essa crise gerada pelo governo. […] Vamos seguir fazendo o que o governo não faz. Seguiremos dando centralidade a pauta econômica e blindando a reforma da Previdência”, afirmou Marcelo Ramos na nota.

Na opinião do presidente da comissão especial, quem tem de gostar da reforma são os investidores “ávidos por estabilidade fiscal”, os empresários “preocupados com seus negócios”, os trabalhadores “preocupados com seus empregos” e os desempregados “na esperança de dias melhores”.

Aliados de Bolsonaro já disseram que tentarão reintroduzir itens retirados pelo relator da proposta.

Ministro da Economia critica mudanças no texto da reforma da Previdência

Ministro da Economia critica mudanças no texto da reforma da Previdência

Repercussão

Também nesta sexta-feira, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que trabalha para a Casa aprovar a reforma ainda no primeiro semestre. Acrescentou que o governo de Jair Bolsonaro se transformou em uma “usina de crises permanente“.

“A vida inteira o ministro da Economia sempre foi o bombeiro das crises. Agora o bombeiro vai ser a Câmara. Nós não vamos dar bola para o ministro Paulo Guedes com as agressões que ele fez agora ao parlamento”, acrescentou Rodrigo Maia.

Além disso, o relator Samuel Moreira publicou a seguinte mensagem em uma rede social: “Meu papel como relator é construir consensos, e não alimentar intrigas. Tenho responsabilidade com o Brasil e compromisso com a reforma da #Previdência”.

Íntegra

Leia a íntegra da nota:

Nota

Não nos deixaremos contaminar pela fala do ministro Paulo Guedes num momento bom da Reforma da Previdência. Sob liderança do nosso presidente Rodrigo Maia seguiremos blindando a Reforma de mais essa crise gerada pelo governo. Servimos ao Brasil e aos brasileiros. Vamos seguir fazendo o que o Governo não faz. Seguiremos dando centralidade a pauta econômica e blindando a Reforma da Previdência. O trabalho do relator Samuel Moreira foi preciso no justo equilíbrio, garantindo potência fiscal, protegendo os mais pobres e exigindo a participação dos bancos nesse momento de necessário sacrifício de todos. Quem tem que gostar da reforma são os investidores ávidos por estabilidade fiscal pra voltar a investir, os empresários preocupados com seus negócios nesse tempo de crise econômica, os trabalhadores preocupados com seus empregos, os desempregados na esperança de dias melhores. Se esses estão satisfeitos, estamos no caminho certo e vamos seguir firmes trabalhando pelo Brasil e pelos brasileiros.

Marcelo Ramos

Presidente da Comissão Especial da Reforma da Previdência.

    Seja o primeiro a comentar

    Faça um comentário

    Seu e-mail não será publicado.


    *